UM PUB EM TATUÍ por Mário Rubial

UM PUB EM TATUÍ por Mário Rubial

267
3
COMPARTILHAR

É isso mesmo!

Apaixonado por botecos, bares, pés sujos, cervejarias, resolvi construir um pub, só para mim e meus amigos.

Não lembro se já comentei em uma das minhas crônicas, mas, lá por volta de 2000 e pouco, eu e a Cris resolvemos que, depois da minha aposentadoria, deixaríamos Sampa para uma vidinha mais tranquila.

Mas onde?

Não poderia ser uma lugar muiiiito isolado. Afinal, somos paulistanos, acostumados com a agitação.

Pensa daqui, conversa dali, resolvemos: Tatuí!

Explico a razão.

Vários amigos já moravam num delicioso condomínio, Colina das Estrelas.

Lá já estavam o Celso Ribeiro da Silva, Oscar Neves e o Rui Bertone. Ou seja, começaria ambientado.

O projeto da casa era simples porém funcional. Mas, faltava o principal: queria um canto só para mim e os amigos. Onde pudesse ouvir meus discos, ler meus livros e, principalmente, jogar conversa fora. Dá até para lembrar daquela música do Zé Rodrix e Tavito.

Comentei com o Noro – sempre ele – que me perguntou se eu já tinha ideia de como seria o pub. Disse que estava pensando e aceitaria sugestões.

Passa alguns dias e vem o Noro com um livro espetacular: PUBS, de Jazmin Agostini. Um fantástico livro ricamente ilustrado com os 24 pubs mais representativos do Reino Unido.

Disse o Noro:

– Tome de presente. Se você não fizer um pub caprichado, é porque é incompetente!

E lá fui eu atrás de um marceneiro.

O Oscar Neves e o Jorge Rosa indicaram o Dorival. Fui atrás e nos debruçamos sobre o livro. Olha daqui, olha dali e acabou saindo um lindo pub, adequado para o espaço disponível e que contemplava meus secretos sonhos etílicos. Exatamente o que ilustra esta crônica.

Lotei as estantes com bebidas da melhor qualidade. É só dar uma olhada na foto. E como havia espelhos no fundo das estantes a sensação era de que a quantidade de garrafas e rótulos era muito maior. Um incrível visual.

Muito encontros aconteceram e meu sonho foi enfim realizado.

Minha casa foi construída ao lado da do Rui. Tínhamos até uma porta de comunicação. Nossas famílias eram muito unidas e os amigos, os mesmos.Todos os finais de semana, feriados prolongados e férias, aquele pedaço da Colina das Estrelas fervia. Comilança geral, da maior qualidade e muita, muita festa.

Várias histórias para contar, todas sempre muito engraçadas.

Uma delas:

Tanto a minha família como a do Rui tínhamos as chaves das respectivas casas para as eventualidades de sempre.

Certa vez, eu e Cris viajamos para a Austrália para visitar o Alê, nosso filho, que lá morava há dois anos.

Depois de alguns dias em Sidney, toca meu celular. Era o Rui. Fiquei preocupado. Será que alguma coisa aconteceu?

Atendo.

– Oi Rui, está tudo bem?

– Claro,responde ele, tudo bem! Não poderia estar melhor. Estamos na tua casa, no teu pub, bebendo o que tem de melhor e, ainda por cima, usando o teu telefone. E rimos a plenos pulmões!

Fiquei muito feliz. Essa  é a verdadeira amizade. Sem frescuras e sem limites para o bem.

Uma outra coisa que me marcou, e que me orgulho até hoje, foi uma frase do Max, outro membro da Confraria:

– O que eu gosto no teu bar, além da qualidade das bebidas, da beleza do local, é que, TODAS as garrafas estão abertas e começadas. Ninguém fica inibido de escolher qualquer uma delas.

Sempre foi minha preocupação. Não inibir ninguém. Quantas vezes você vai num bar de algum amigo, quer experimentar uma certa bebida, mas fica sem jeito porque a garrafa está fechada?

E como dizia Humphrey Bogart: “A humanidade está sempre duas doses abaixo do normal”

 

DICA DE BOTECO

CANTINHO PORTUGUÊS

Av. dos Imarés, 656

Telefone – 5041-9787

Tem estacionamento conveniado num posto próximo ao local.

Um dos melhores restaurantes portugueses de São Paulo. Não é badalado mas a comida…

Fale com o João ou sua esposa. Peça sugestões. Pratos maravilhosos a preços absolutamente corretos.

 

FRASE DE BOTECO

Conversa de bêbado não tem dono.

Stanislaw Ponte Preta

3 COMENTÁRIOS

  1. Marinho, que ideia maravilhosa. Quando formos a Sao Paulo com certeza passaremos no Boteco.
    Love you guys. Tom and Fran (Clermont, Florida)

  2. Realmente o “nosso” pub era de admirar. Quantas reuniões, quanta noites, quanto papo jogado fora. Isso não tem preço, como diz a MasterCard!

Comments are closed.