11 cuidados para quem usa lentes de contato ver agora!

0
74

Quer usar lentes de contato? A oftalmologista Keila Monteiro de Carvalho fala sobre os cuidados que você deve ter com elas

Seja para corrigir um problema de visão ou apenas por questões estéticas, estima-se que mais de 2 milhões de brasileiros utilizam lentes de contato. Para a oftalmologista Keila Monteiro de Carvalho, Professora Titular de Oftalmologia da UNICAMP, muitas pessoas optam pelas lentes de contato pelo simples fato de não querer usar óculos. Entretanto, há casos em quem o uso do acessório tem recomendação médica. “Por exemplo, os casos de Ceratocone, que é uma alteração da córnea que se torna crônica, e com isso existe um astigmatismo irregular sendo que nesses casos a visão não fica bem corrigida com óculos”, explica a especialista  acrescentando que também há casos em que as lentes de contato são contraindicadas, como em “pacientes com síndrome do olho seco, com alergias oculares, com uveites, com doenças reumáticas e do tecido conectivo, doenças de córnea degenerativas ou com baixa sensibilidade corneana, glaucoma que para controlar usam muitas medicações tópicas em forma de colírios ou gel, entre outros casos”.

Daí a importância de passar por uma consulta oftalmológica antes de sair comprando uma lente de contato. É o especialista quem irá avaliar se há contraindicações e qual o material e a curvatura adequados. Também será feito um teste de adaptação. E se tudo estiver certo, as lentes são encomendadas. “É muito comum o caso da pessoa que nunca usou óculos e começa após os 40 anos de idade com o advento da Presbiopia (vista cansada da idade) que é a dificuldade de visão para perto apenas. Nesse caso o paciente pode usar lentes de contato multifocais, que já existem e são muito boas. Por outro lado, principalmente em mulheres após a menopausa, há maior dificuldade de usar lentes se a pessoa tiver olho seco, o que é muito comum após essa fase”, justifica Keila Monteiro de Carvalho.

A especialista explica que o paciente também recebe todas as instruções de uso, como por e tirá-las, higienização, acondicionamento e preservação. A saúde ocular vai depender do bom uso das lentes de contato, para que não sofrem interferências fisiológicos, como a própria lágrima, ou ambientais, como a poluição. “Para manter os olhos livre de irritações, alergias e infecções, também é importante saber como é feita sua limpeza e manutenção, além de respeitar o prazo de validade”, finaliza a oftalmologista.

A seguir, a Dra. Keila Monteiro de Carvalho fala mais sobre o uso das lentes de contato:

Lentes em crianças

Sim, a partir dos oito anos já é possível utilizar lentes de contato, desde que devidamente prescritas pelo oftalmologista. É importante destacar que a criança deve ter “maturidade” para utilizar as lentes, uma vez que exigem mais cuidados com higienização e armazenamento que os óculos.  E, caso a criança apresente olhos vermelhos, dor, ardência, lacrimejamento constante ou presença de secreção nos olhos, seu uso deve ser descontinuado e o oftalmologista procurado imediatamente.

Mãos limpas

Parece até bronca de mãe, mas é verdade. Não higienizar corretamente as mãos ao colocar e ao retirar as lentes de contato, deve-se sempre lavar as mãos com sabonete de pH neutro e secá-las bem. Isso irá impedir que alguma micro-organismo passe das mãos para as lentes, podendo trazer riscos à saúde ocular, como o surgimento de uma conjuntivite, por exemplo. Mas, atenção: não utilize nenhum outro produto, que não água e sabão, para higienizar as mãos. O álcool gel, por exemplo, pode causar queimaduras na córnea, se em contato com os olhos.

Coisa de cinema

No filme Sorte no Amor (Just my Luck, 2006) a mocinha Ashley higieniza a lente com saliva em uma emergência. Mas claro que isso acaba não dando muito certo!  Nem o soro fisiológico, nem a água da torneira e, muito menos a saliva, são capazes de limpar as lentes de contato. Apenas as soluções próprias para limpeza são capazes de eliminar as sujidades – resíduos de gordura e proteínas (e bactérias!) que se acumulam nas lentes.

A higienização das lentes de contato deve ser realizada antes e após seu uso. Após higienizar as mãos, pegue uma das lentes, coloque na palma da mão e pingue algumas gotas da solução de limpeza. Friccione levemente com os dedos para eliminar resíduos e micro-organismos de sua superfície. Enxague com a solução de limpeza. Após esse processo já é possível usá-las ou guarda-las no estojo. Repita o processo com a outra lente. Uma dica é iniciar a limpeza sempre pela mesma lente (esquerda ou direita), a fim de prevenir qualquer confusão ou troca das lentes. E nunca reutilize a solução que ficou no estojo após as lentes serem colocadas nos olhos. Use uma porção nova de solução a cada armazenamento.

E o estojo?

Ainda falando sobre higiene, também é importantíssimo lavar o estojo das lentes de contato. Um estojo malcuidado pode levar à contaminação das lentes – e, consequentemente, dos olhos – possibilitando o surgimento de problemas, como alergias. Higienize o estojo da seguinte forma: após colocar as lentes nos olhos, despeje o líquido do estojo e enxague com solução de limpeza (a mesma das lentes), utilizando a ponta dos dedos para esfregá-lo. Remova o líquido e seque-a ao ar livre. Antes de voltar a utilizá-lo, certifique-se que nenhum resíduo do produto ficou nele. Encha o estojo novamente e, só então, coloque as lentes. Para evitar contaminações, também é importante trocar o estojo a cada três meses.

Assim como as lentes de contato, o estojo deve ser higienizado para prevenir infecções por micro-organismos. É necessário usar a mesma solução das lentes para lavar o estojo – e não água. Enquanto ainda estiver com as lentes, higienize as mãos e utilize a solução para lavar o estojo. “Permita que o estojo seque no ar em vez de usar qualquer papel ou toalha – uma vez que a chance de contaminação é maior nesses casos”, explica a oftalmologista Tania. Encha o estojo com a solução e, só então, coloque as lentes. Lembre-se ainda de trocar o estojo a cada três meses, pois eles também podem se tornar um meio de contaminação com o tempo.

Tempo de uso

Colocar as lentes de contato pela manhã e tirá-las apenas no final do dia. Essa é a rotina de muitas pessoas. Entretanto, não se deve ultrapassar o período de 8 a 10 horas, no máximo, com o acessório. Ultrapassar muito esse período pode interferir na lubrificação dos olhos, tornando-os secos e irritados. Caso tenha que passar um período muito longo com as lentes de contato, procure utilizar colírios lubrificantes (indicados pelo oftalmologista), para amenizar os incômodos.

E por falar em tempo de uso, as lentes também têm prazo de validade. E ele deve ser respeitado! É preciso trocá-las periodicamente porque, com o tempo, elas sofrem alterações em sua permeabilidade e curvatura. Isso pode interferir na sua eficiência e aumentar o risco de uma infecção.

Make-lente ou lente-make?

A lente deve ser colocada sempre antes da maquiagem. Isso evita que resíduos dos produtos, como sobras e máscaras de cílios, se depositem entre ela e a córnea, causando irritação ou algo mais grave! Já na hora de remover a make, retire-as antes. Isso porque o contato das lentes com algumas substâncias pode comprometer sua validade.

Dormir com as lentes

Quem nunca chegou muito tarde e cansado em casa e acabou esquecendo de tirar as lentes para dormir? Resultado: acordou com a sensação de que os olhos estavam secos, quase que “grudados” às pálpebras. Entretanto, mesmo que tenha sido apenas um lapso, dormir com as lentes aumenta em 6,5 o risco de lesões oculares. Isso porque, como as pálpebras permanecem fechadas durante o sono, não ocorre a lubrificação necessária, tornando os olhos secos e aumentando a adesão das lentes à córnea. Além disso, como as lentes não se movimentam (com os olhos abertos elas se movimentam cerca de 1 milímetro a cada piscada), acaba não ocorrendo a oxigenação da córnea, possibilitando o acúmulo de secreções e o surgimento de infecções.

Viajar de avião com as lentes

Para viagens longas de avião, deixe as lentes de contato de lado e vá de óculos! Isso por abaixa umidade e o ar condicionado acabam deixando os olhos secos, trazendo incômodos, como sensação de areia nos olhos, queimação, vermelhidão, sensibilidade à luz e visão embaçada. Caso o “estrago já esteja feito”, utilize colírios específicos para aumentar a lubrificação (sempre prescritos pelo oftalmologista!). Além disso, manter-se hidratado também ajuda a aliviar o problema.

Vai dar praia?

Esse é outro momento em que o melhor é substituir as lentes por óculos! O mar, a areia e o vento podem contaminar o acessório com micro-organismos capazes de contaminar causar irritações e doenças aos olhos. Agora, se não for possível ir sem as lentes, evite os banhos de mar (além do risco de contraria uma bactéria, você ainda pode perde-las na água) e utilize óculos de sol para evitar que o vento leve areia para os olhos.

Olhos vermelhos

Vermelhidão nos olhos é indicativo de algo errado nos globos oculares. Pode se tratar de uma simples irritação ou até de uma infecção – que pode ter sido causada inclusive pelas próprias lentes. Então, enquanto não de descobre a causa e se inicia o tratamento, o uso das lentes deve ser suspenso. Até mesmo porque como as lentes são “corpos estranhos” nos olhos, elas podem até agravar o problema.

Colírio é tudo igual?

É normal os olhos ficarem mais secos com o uso de lentes de contato. Mas nestes momentos, nada de sair usando qualquer colírio! Deve-se sempre utilizar as soluções prescritas pelo oftalmologista. Pingar soro fisiológico dentro do olho também é desaconselhado, uma vez que pode agravar a secura por conter sal (cloreto de sódio)

Sobre a Dra. Keila Monteiro de Carvalho

Médica oftalmologista, Professora Titular de Oftalmologia da UNICAMP.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

5 − 4 =