Nossa, como coça!

0
85

Alergia de contato, eczema, dermatite. Os nomes podem ser diversos, mas quem convive com o problema reconhece bem quando a coceira, as lesões avermelhadas e o inchaço local surgem.   

            Mais comuns do que se imagina, as alergias de pele de caráter crônico podem atingir qualquer pessoa, em qualquer fase da vida, “ou seja, mesmo que a pessoa já tenha utilizado aquele produto várias vezes, há sempre o risco de uma alergia surgir na próxima utilização”, comenta a dermatologista Carla Bortoloto, médica especializada em Dermatologia clínica e cirúrgica, tricologista, professora da Pós-Graduação em Dermatologia das Faculdades BWS, Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Clínico Cirúrgica (SBDCC) e da American Academy of Dermatology (AAD)

            Segundo a especialista, o processo alérgico pode ser desencadeado por substâncias presentes em objetos comuns do dia a dia, como produtos de limpeza, borracha (como chinelos, luvas de uso doméstico), cosméticos, esmalte, maquiagem, bijuterias e, até mesmo, dinheiro e moedas! “O ativo, que é o desencadeador do quadro clínico, atinge em um primeiro momento o local em que ocorreu o contato, mas pode se espalhar para outra parte do corpo, como ocorre, por exemplo, com a alergia a esmalte, que acomete também a área ao redor dos olhos, onde a pessoa costuma passar os dedos”, explica a dermatologista.

            Carla Bortoloto lembra que, pelo fato de várias substâncias estarem juntas em um mesmo produto, qualquer uma – ou várias –  pode ser a causadora do processo, cada alergia deve ser investigada de forma individualizada. “O diagnóstico é feito primeiramente pelo exame físico dermatológico. Após determinar a doença, são realizados exames complementares, como a biópsia da área atingida eainda um teste de contato alérgico bateria padrão, que irá ajudar a identificar o ativo alergênico”, conta a especialista, (em forma de adesivos, que são aplicados sobre a pele e, ao serem retirados, o médico saberá identificar os agentes causadores).

Descoberta a substância, o tratamento consiste, principalmente, em afastar o agente causal do paciente. Também pode ser indicado o tratamento tópico e sistêmico, com a prescrição de anti-inflamatórios e antialérgicos. “Vale ressaltar, porém, que, se esse processo não for resolvido, pode evoluir para um acometimento sistêmico, atingindo todo corpo e dificultando a interpretação médica”, destaca Carla Bortoloto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

cinco × 1 =