Gente Que Fala – 12.02.2020

0
41

Nesta quarta-feira, o Programa Gente Que Fala conversou sobre SAÚDE, tendo a participação dos especialistas convidados:

O oncologista Paulo César Leonardi, cirurgião do aparelho digestivo do Hospital das Clinicas e do Instituto do Câncer;

O psiquiatra e psicogeriatra Marcel Vella Nunes, especialista em dependência química e

A farmacêutica, cantora e apresentadora Sônia Presta.

A pauta, apresentada pelo jornalista Mauro Frysman, contemplou os seguintes assuntos:

Sinais e sintomas do câncer – Câncer ou neoplasia é o nome genérico para um grupo de mais de 200 doenças que têm em comum o crescimento e multiplicação anormal e incontrolável de um conjunto de células, o que causa inúmeros sintomas, dependendo da localização do tumor, sua extensão e o quanto está afetando o organismo. Especialistas salientam que observar os primeiros sinais pode ser decisivo para o sucesso do tratamento;

Uso indevido da Ritalina pode causar dependência – A Ritalina é uma anfetamina prescrita para portadores de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), para ajudar a controlar impulsividade, inquietação e desatenção. No entanto, alguns estudantes atribuíram uma nova função para ela, usando-a para melhorar a concentração no período pré-prova. Além disso, muitos jovens misturam o medicamento com bebidas alcoólicas ou outras drogas para dar “onda”;

Governo recua, mas quer distribui remédios sem aval da Anvisa – O governo federal recuou de sua proposta original, mas ainda defende uma versão mais suave dela para flexibilizar as regras para a importações de medicamento sem registro do Brasil para uso de pacientes do SUS, medida que foi criticada por especialistas, que veem na regra atual uma garantia para os usuários, além de uma barreira para evitar a entrada de produtos sem qualidade e até falsificados no Brasil;

Coronavírus: infectados fora da China podem ser “ponta do iceberg” – O número oficial de mortos pelo coronavírus chegou hoje a 1.113, com mais de 44 mil infectados. A OMS acredita que o ritmo do contágio deve começar a cair nos próximos dias, mas que “surtos independentes nas principais cidades do mundo podem se tornar inevitáveis” devido ao movimento significativo de pessoas infectadas que ainda não apresentam sintomas;

Enchentes aumentam risco de doenças – Na caótica segunda-feira, quando a cidade de São Paulo passou o dia alagada, a mídia e as redes sociais foram bombardeadas com imagens de pessoas tentando atravessar a pé as vias inundadas. Além do risco de acidentes, o contato com a água ou lama de enchentes é nocivo à saúde e pode acarretar doenças infecciosas, bacterianas e de pele.

Perdeu o programa de hoje? Assista agora!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

16 + dezessete =