Gente Que Fala 26.03.2020

0
242

Hoje, mais uma edição do “Gente do MPD Que Fala”, parceria do Gente Que Fala com o Movimento do Ministério Público Democrático, com o apoio da Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial – CBDL. Os convidados dessa quinta-feira foram: O Procurador de Justiça, professor e escritor Roberto Livianu, ex-presidente do MPD e presidente do Instituto Não Aceito Corrupção. O médico patologista clínico Álvaro Pulchinelli Jr., professor de clínica médica e medicina laboratorial da UNIFESP e diretor científico da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica – SBPC. A pauta, apresentada pelo jornalista Mauro Frysman, contemplou os seguintes assuntos: Manter a população isolada é consenso entre economistas – Tema de discórdia entre políticos e empresários, a necessidade de isolamento da população na atual fase da pandemia da Covid-19 no Brasil parece ser consensual entre economistas, que defendem uma ação mais rápida, coordenada e menos ruidosa do governo; ‘Dose de cloroquina que bloquearia coronavírus mataria o paciente’, diz especialista – Tida como promissora no tratamento do novo coronavírus, opinião dos presidentes dos EUA, Donald Trump, e do Brasil, Jair Bolsonaro, a cloroquina não é unanimidade entre os especialistas da área de saúde, como Amilcar Tanuri. Integrante do laboratório onde são feitos testes de diagnóstico para o covid-19, ele diz que a dose da droga necessária para bloquear o vírus poderia matar os pacientes; Para Agamben, pandemia funciona como pretexto para o poder satisfazer sua sede de mais domínio – Giorgio Agamben, um dos maiores filósofos vivos, publicou uma série de textos sobre as medidas de confinamento e quarentena em vigor hoje na maior parte do mundo. Para ele (que não é contra as medidas), a pandemia atual, assim como o terrorismo antes disso, são ameaças reais, mas funcionam como pretextos para o poder reduzir a nossa liberdade e satisfazer a sua sede de mais domínio; Jornalistas criticam governo por suspender acesso à informação – A Associação Nacional de Jornais e pelo menos 50 outras organizações de imprensa emitiram nota lamentando a Medida Provisória 928, editada pelo presidente Jair Bolsonaro, que prevê a suspensão do atendimento de pedidos via Lei de Acesso à Informação a todos os órgãos e entidades cujos servidores estão sujeitos a regime de quarentena ou home office. A ANJ afirma que, “em situações de calamidade, a informação pública deve ser ainda mais transparente, abrangente e ágil, e não menos, como define a MP”. Perdeu o Gente do MPD Que Fala de hoje? Assista agora!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

1 × três =