Por que Queiroz depositou R$ 89 mil na conta de Michelle?, questiona Livianu

0
79

Por Roberto Livianu

A pergunta feita pelo repórter do jornal O Globo ao presidente da República era plausível e natural diante do princípio constitucional da publicidade, da Lei de acesso à Informação e até mesmo diante da lei de improbidade, que inverte o ônus da prova. Afinal, por que 27 cheques de Fabrício Queiroz, o assessor de Flávio Bolsonaro investigado pelas “rachadinhas” na Alerj, num valor total de R$ 89 mil foram parar na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro?

Mas, o presidente retornou à belicosidade de tempos recentes e, sem responder à indagação, simplesmente disse, em palavras chulas, que tinha vontade de espancar o repórter, exibindo seu comportamento padrão diante de indagações de jornalistas que o desagradam, significando seu gesto mais uma afronta à democracia e ao direito à informação, garantido pelo artigo 5, XIV da Constituição.

A partir de sua reação, memes de norte a sul e leste a oeste irromperam pela internet com mensagem uníssona: que dinheiro é esse na conta da primeira-dama, presidente? Em inglês, italiano, javanês e por todos e todas que desejavam legitimamente obter a mesma resposta. Formou-se, digamos, involuntariamente uma campanha neste sentido.

Foram 27 cheques emitidos de 2011 a 2016, com valores cheios, sempre múltiplos de R$ 1.000, em relação aos quais não se oferece qualquer explicação plausível.

E chama a atenção que também em relação a um longo período (2015 a 2018), investigam-se repasses do mesmo Fabrício Queiroz para outra pessoa também diretamente ligada ao presidente Bolsonaro, que também recebia créditos normalmente em valores múltiplos de R$ 1.000.

A amplitude é maior: foram 1.512 repasses feitos por Queiroz para a loja de chocolates do filho de Bolsonaro, seu filho Flávio –hoje senador. Foram recebidos mais de R$ 2 milhões e há séria desconfiança por parte do Ministério Público do Rio de Janeiro no sentido de ter sido a loja usada para lavar dinheiro do “esquema das rachadinhas” da época em que Flávio Bolsonaro era deputado estadual.

São muitas evidências que apontam nesta direção: inúmeros depósitos para a chocolateria eram feitos em dinheiro vivo exatamente na agência da Alerj, exatamente na data em que os funcionários recebiam seus salários, logo após os saques destes, em valores múltiplos de R$ 1.000, créditos absolutamente atípicos para aquele tipo de estabelecimento, levando em conta o tipo de operação de venda feita no dia-dia e o preço individual dos produtos comercializados.

Toda loja que vende chocolates no Brasil aumenta suas vendas na Páscoa e no final do ano, com vendas de ovos e panetones, respectivamente. A única de todo o país em que isto não acontece é a chocolateria de Flávio Bolsonaro, uma anomalia maior que ganhar sozinho seguidas vezes na Mega-Sena acumulada.

A mesma fonte que abastecia a chocolateria, abasteceu a conta bancária da primeira-dama, sem explicações plausíveis (Fabrício Queiroz). E diferentemente do que sugere o presidente, ele deve, sim, satisfações à sociedade, pois a transparência é a regra estabelecida na Constituição e todos que governam devem observá-la com rigor.

Não se trata de favor, mas de cumprimento de dever assumido quando da posse no cargo no qual se vê investido, não podendo pairar qualquer dúvida sobre a lisura de seu procedimento ao administrar a coisa pública, sob pena da devastadora perda de confiança.

Ele deve explicações permanentes ao povo. Deve lembrar, como definiu Bobbio, que democracia é um sistema em que o poder público verifica seu exercício em público. É o governo do poder público exercido em público. Deve prestar contas sempre que lhe forem pedidas.

A atitude desrespeitosa e agressiva reiterada em relação a jornalistas, utilizada muitas vezes simplesmente para mascarar a falta de respostas convincentes e esclarecedoras em relação a assuntos de interesse público, é mais um triste capítulo de uma sequência de descompassos cotidianos por parte do presidente em relação ao bem comum, evidenciando lamentável descompromisso com o Estado democrático de Direito.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

15 − 6 =