HEITOR, UMA PAIXÃO! por Mário Rubial

0
481

Heitor de Souza Paixão nos deixou semana passada. O velho coração guerreiro não resistiu. Trabalhou intensamente durante 69 anos para suprir o entusiasmo e determinação que o Heitor colocava em tudo o que fazia na vida. Sua família, trabalho, amigos, tudo era tratado com grandeza e paixão. Até parece que o sobrenome foi escolhido pelos antepassados já prevendo que aquela usina de emoções não descansaria.

Heitor, à esquerda, me olhando com alguma ironia. 

Em várias crônicas publicadas neste blog Heitor era citado com frequência. Nos últimos quarenta anos nossa amizade foi vivida quase que diariamente. No trabalho, nos incontáveis almoços, happy hours, viagens, telefonemas diários. E sempre com pressa! Afinal como já disse, Heitor era intenso.

Fui chefe dele e depois trocamos. Não importava a hierarquia: brigávamos constantemente. Gritávamos ao telefone. Lembro de um almoço no velho Carlino da Vieira de Carvalho. Discutíamos tão alto que o garçom foi até nossa mesa pedir que falássemos mais baixo.

Fizemos uma viagem de trinta dias à Europa, acompanhados da Nancy e da Cris. Metade da jornada ficamos de mal. Birra. Só reconciliamos no final.

Era tudo assim. Intenso!

Quase todos os dias ao telefone, trocando mensagens, e-mails e tudo, rigorosamente, com carinhosa agressividade.

O início de nossa amizade foi curiosa. Aconteceu no Bar Leo, pelas mãos do João Noro, amigo dos dois. Vários almoços depois, no mesmo Leo, descobrimos que nossos pais eram grandes amigos. E que a carteira de identidade de estrangeiro do seu Mário, meu pai, foi conseguida pelo Norberto, tio do Heitor. Mais: uma tia do Heitor , disse que, quando criança, meu pai adorava brincar com ela. Incrível, não?

Que pena. Que vazio. Que solidão.

Tolito, Tolitinho, Heitorzinho, rabugento, querido e inesquecível.

Abrace todos os nossos amigos que estarão, a partir de agora, lhe fazendo companhia.

Beijão do Maroca, Maroquita, Maroqueta.

Até breve.

FRASE DE BOTECO

As pessoas não morrem, ficam encantadas.

João Guimarães Rosa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

dezenove + 1 =