CIÇÃO X RONIQUITO por Mário Rubial

0
48

Começo explicando quem são os dois personagens. Sim, personagens, pois é o que mais interessa nesta crônica.

Roniquito. Diminutivo de Ronald. Ronald Russel Wallace de Chevalier. Lendário boêmio na época de ouro da Zona Sul carioca. Culto, inteligente, amável mas… só até o segundo whisky.

Depois,  que saíssem da frente. Ficava criativamente agressivo!

Conto apenas uma passagem do livro de Scarlet Moon, sua irmã: Dr. Roni & Mr. Quito – A Vida do Amado e Temido Boêmio de Ipanema.

Num restaurante,  encontrou um desafeto acompanhado da mulher.

Fez um sinal em forma de V, Paz e Amor.

O casal respondeu com o mesmo sinal.

Roniquito repetiu.

O casal respondeu.

Na terceira vez o marido estrilou.

Responde o Roniquito:

– Paz e Amor é o cacete, estou oferecendo duzentinho para comer sua mulher!

E como de hábito, Roniquito tomava porrada.

Trabalhou na TV Globo com Walter Clark e criou a expressão ASPONE, Assessor de Porra Nenhuma, quando lhe perguntavam sobre suas funções na emissora.

E agora falo do CIÇÃO, nosso Roniquito da Chácara Santo Antônio, zona sul de Sampa.

Cícero Lotti, o Cição, é um pacato servidor público aposentado que não dispensa uma boa cervejinha, fazendo a ronda dos bares na região da Chácara. Conhece tudo e mais um pouco sobre aviação sem nunca ter pilotado. E um baita orgulho por ter servido o Exército Brasileiro.

É muito bem quisto. Educadíssimo, é de uma gentileza ímpar. Até a terceira ou quarta cerveja. A partir daí, solta os demônios defendendo agressivamente seus pontos de vista criando bastante confusão.

Nunca brigou comigo apesar de termos opiniões divergentes, pois quando começa a subir o tom, olho pra ele e num gesto conciliador, sugiro que fale mais baixo e comporte-se. E ele sempre me atende.

Diariamente sai de sua residência e vai de bar em bar até tarde da noite. Felizmente não tem carteira de motorista e nem carro. É usuário dos serviços de taxi numa empresa que já conhece o Cição de sobra. Quando está pra lá de Bagdá, saca do celular e balbucia algumas palavras. No telefone da empresa, já sabem tratar-se do Cição. Em poucos minutos, chega o auto que o recolhe e o deixa na porta da sua residência são e salvo.

Roniquito e Cição: personagens necessários na vida boêmia das grandes cidades.

FRASE DE BOTECO

ANDO TÃO AZARADO , MAS TÃO AZARADO, QUE SE UM DIA CHOVER XOXOTA, CAI UM PÊNIS NA MINHA CABEÇA.

CIÇÃO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

4 × 1 =