UMA LAPADA DE QÜENHENHEN por Mário Rubial

0
53

Editora Abril, 1969. Ao lado da Divisão de Educação, onde eu trabalhava, surgiu um novo departamento: O NVE, Núcleo de Vendas Especiais. Especializado em vender espaços publicitários para os diversos níveis governamentais nas edições especiais da Editora.

Os diretores eram Calazans Fernandes e Alcione Pereira, o Caicó, uma das melhores pessoas que conheci na vida. Auxiliados por José Maruilson Costa e Geraldo Nilson de Azevedo. Em comum, todos vieram do Rio Grande do Norte. E o NVE virou NORDESTINOS VENDENDO ESPAÇO!

E fizeram sucesso.

O convívio foi maravilhoso e renderam ótimas histórias que nós, paulistanos, guardamos com muito carinho.

Relembro algumas, começando com o título desta crônica:

Na Segunda Guerra Mundial os americanos montaram uma base em Natal por causa da posição estratégica daquela capital. Daí, várias passagens engraçadas contadas pelos amigos potiguares.

Um grupo de americanos reunia-se todas as noites numa bodega para uma rodada de whisky. E já na entrada o Joe gritava:

– One lap of Queen Anne.

E lá vinha uma garrafa de whisky Queen Anne e vários copos. Esse hábito foi incorporado pelos brasileiros que por desconhecimento ou gozação bradavam ao garçom:

– Severino! Sirva uma lapada de qüenhenhem! O lap que significava rodada virou lapada. E a pobre rainha inglesa, Qüenhenhem.

Outra historinha interessante foi a adaptação das dormentes que serviam de suporte para os trilhos dos trens. Os americanos chamavam de sleepers. Mas nossos irmãos nordestinos mudaram para xulipa!

E, para terminar, o tecido madimpulão que os mais velhos devem se lembrar. Tecido grosso e resistente usado para a confecção de roupas para os soldados americanos. E que chegavam a Natal diretamente da Polônia. Como todas as peças de tecido, recebiam nas laterais a marca do fabricante e do país de origem: MADE IN POLAND. E que para os potiguares virou… madimpulão!

Saudade do Nordeste!

FRASES DE BOTECO

EM PORTUGUÊS, QUE PASSANDO PARA O INGLÊS AO PÉ DA LETRA, FICAM ABSOLUTAMENTE INCOMPREENSÍVEIS.

Ela está com a macaca

She is with the female monkey

É do peru!

It’s the turkey’s

Cu de bêbado não tem dono

A drunkard’s ass no owner

Não pentelha!

Don’t pubic hair!

Porra louca

Crazy spern

Frases extraídas do livro The Cow Went To The Swamp, ou a Vaca Foi Pro Brejo, genial livro de Millôr Fernandes.

Vários gringos foram presenteados. E claro, depois que explicávamos o significado, riam muito, pois nada fazia sentido pra eles.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

2 × 5 =